Geral

Publicado em 18/10/17 às 16:57 | Atualizado em 18/10/17 às 16:59

Grupo de teatro usa práticas pedagógicas contra discriminação racial

Trabalho conta com a participação de 80 integrante

Por rafaellycarneiro

 

 Texto e Foto: Patricia Vivianne

 

Estudantes, pais, funcionários, ex-alunos e a comunidade ligada à Escola Isaac Pereira, em Jardim Atlântico, Olinda, estão utilizando o teatro para coibir a discriminação contra a população negra. Elementos que resgatam a cultura do povo africano são trabalhados pelo grupo de teatro experimental Kanteatroa. Cerca de 80 meninos e meninas das turmas do 4.º e 5.º anos compõem a equipe, que faz parte do Programa Mais Educação.

Nos dias úteis, o Kanteatro apresenta e analisa com a criançada um país da África, observando aspectos topográficos e culturais. Já aos sábados são realizadas oficinas, ensaios e montagem do espetáculo. “Algumas das lutas do movimento negro são contempladas pelo trabalho”, afirma a diretora da escola, Emilene Souza.

Quando ouvia o nome África, a estudante Kaline Stefani, de 12 anos, associava apenas o que via na TV e em filmes. “Aprendi mais sobre a cultura do Senegal. Achamos legal e bonito”.

“Sempre achei que a África era um país. Hoje, sei que é um continente composto por 54 países e que tem riquezas e belezas”, diz, a estudante, Letícia Luiza, 11 anos.

 

“É recorrente perceber em sala de aula que a memória dos estudantes relacionada à África sempre remete a questões negativas, como a escravidão. O que fazemos é resgatar memórias para que eles se reconheçam”, afirma a professora Maria Mazarelo, que montou um espetáculo com temática e personagens africanos em parceria com o Centro Cultural Nação Ogan.

 

“A educação tem fundamental importância nesta luta, pois se acredita que o espaço escolar seja responsável por boa parte da formação pessoal dos indivíduos, sendo assim um ambiente fundamental para a superação das desigualdades raciais e superação do racismo”, explica a secretária executiva de Programas e Políticas Educacionais de Olinda, Edilene Soares.