Cidadania

Publicado em 19/02/16 às 14:08 | Atualizado em 19/02/16 às 15:21

III Conferência Municipal LGBT debateu a violência e o preconceito contra o segmento

Atividades contaram com debates sobre a construção de políticas públicas para a população LGBT. Durante o evento, também foram eleitos delegados para as atividades estaduais e nacionais sobre a temática

Por Tiago Peixoto

Foto: Tiago Peixoto/Pref.Olinda

Foto: Tiago Peixoto/Pref.Olinda

Na última quinta-feira (18), aconteceu no Centro de Cultura Luiz Freire a III Conferência Municipal de Políticas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais (LGBT). Com o tema “Por uma Olinda livre da violência contra a população LGBT”, o evento foi aberto ao público e teve o objetivo de garantir os direitos já conquistados e promover ainda mais as políticas públicas inclusivas ao segmento na cidade.

Presente no evento, o secretário de Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos, Humberto de Jesus falou sobre a necessidade da conferência para o município. “É um momento importante da cidade para gente discutir a transversalidade das políticas públicas para esse público e fazermos que os resultados daqui, com os movimentos sociais, com especialistas sobre o tema, se integrem ao primeiro Plano Municipal de Direitos Humanos da cidade. É Olinda cuidando da nossa gente que mais precisa”, afirmou.

O representante do Ministério Público de Pernambuco na conferência, o promotor de justiça Maxwell Vignoli reafirmou a importância da afirmação de políticas públicas para o segmento LGBT. “É uma população que é invisibilizada e parece não estar presente na nossa sociedade, quando na realidade ela está presente. Precisa ter políticas específicas de assistência social para pessoas que passam por violências dentro de casa, na família, na escola e também na prestação dos serviços públicos”, enfatizou.

O evento teve quatro eixos de discussão: Políticas Intersetoriais, Pacto Federativo, Participação Social e Sistema Nacional de Proteção da Cidadania e Enfrentamento da Violência Contra a População LGBT; Educação, Cultura e Comunicação em Direitos Humanos; Segurança Pública e Sistema de Justiça na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos da População LGBT; e Marcos Jurídicos e Normativos para o Enfrentamento da Violência Contra a População LGBT.

“Infelizmente, na nossa sociedade, é um tema ainda pouco discutido. E muita gente desconhece e por isso tem receio, medo, por não conhecer o assunto. Precisamos estar na escola falando sobre isso, nos grandes meios de comunicação falando sobre isso. Disseminar o conhecimento para diminuir a discriminação contra a população LGBT”,  disse a capitã Lucia Helena , coordenadora do Grupo de Trabalho de Enfrentamento ao Racismo e Preconceito da Polícia Militar de Pernambuco.

“A gente tá reivindicando os nossos direitos e queremos combater a homofobia, que é ainda bem grande no nosso país. Por isso, é importante que a sociedade civil e também o governo, em todas as suas esferas, desenvolvam políticas para combater o preconceito contra a população LGBT”, explicou o Pai Ivon de Oyá Egum, que representava a sociedade civil durante a conferência. Durante o evento, também foram eleitos delegados que participação das atividades estaduais e nacionais sobre a temática, que acontecerão nos meses de março e abril, respectivamente.

Tags desta notícia: , , ,