Cultura

Publicado em 27/10/17 às 17:44 | Atualizado em 27/10/17 às 17:47

Vigilância Sanitária e Secretaria de Turismo de Olinda se reúnem com tapioqueiros antes do Festival

Orientações sobre manipulação dos alimentos e informações gerais do 1º Festival da Tapioca foram repassadas nesta sexta-feira (27.10)

Por pedropaulo

Fotos: Maíra Correia/ Prefeitura de Olinda

Na próxima semana, mais precisamente nos dias 3, 4, 5 de novembro, 60 tapioqueiras estarão divididas entre a Praça do Carmo e o Alto da Sé para o 1º Festival da Tapioca. Com o evento se aproximando, aumenta a intensidade dos preparativos para que ocorra tudo da melhor forma na festa. Nesta sexta-feira (27.10), representantes da Vigilância Sanitária e da Secretaria de Turismo de Olinda se reuniram no Alto da Sé com as grandes estrelas da festa para alertar sobre os cuidados que devem ser tomados com os alimentos e relembrar todos os detalhes do Festival.

Durante o encontro, informações de horários, estrutura e programação foram reforçadas. Já a Vigilância Sanitária entregou um material para as tapioqueiras com 16 pontos importantes para manipulação adequada junto às comidas (confira a lista completa no final da matéria), além de revelar que todas terão fardamento padrão, com luvas e toucas. “Estamos com essas orientações antes do evento, mas isso é para ser levado eternamente, no dia a dia de trabalho”, explicou a inspetora sanitária Jacqueline Claudino.

“Sabemos que vocês têm todo conhecimento sobre as tapiocas, mas é importante reforçar. Sempre teremos o apoio da Vigilância Sanitária em eventos gastronômicos. Contamos com a união de várias secretarias neste evento. Queremos que esse Festival entre no calendário futuramente. É bom para a nossa cultura, e é bom para as tapioqueiras, do ponto de vista financeiro. Temos que aprender todos os dias, por isso é importante essa reunião. Nossa tapioca leva o nome de Olinda para o mundo”, destacou o secretário executivo de Turismo de Olinda, Uyrandei Lemos.

A programação será das 15h às 23h e contará com feira de artesanato, agricultura familiar, feira orgânica e de empreendedorismo, na Praça do Carmo. Além disso, quem for ao local pode apreciar as comidas típicas na praça de alimentação. O público também pode curtir apresentações de músicas regionais no palco que será montado também no Carmo. No Alto da Sé, das 17h às 20h, acontecem aulas e oficinas, no qual chefes de cozinha vão ensinar a fazer tapiocas. No espaço haverá, ainda, degustação e comercialização do produto e apresentações culturais.

Para a representante da Associação de Tapioqueiras de Olinda, Severina Maria de Souza, esse tipo de reunião às vésperas do Festival foi importante para esclarecer dúvidas e reforçar detalhes importantes para que o evento seja um sucesso. “É importante destacarmos para todos os presentes que nosso alimento é seguro, bem tratado. Convido a todos, venham curtir a festa tranquilamente”, disse Severina, a “Dona Bia”, que vive da tapioca há 30 anos.

 

 

 

 

 

Confira os 16 alertas da Vigilância Sanitária para as tapioqueiras:

Os alimentos perecíveis deverão ser mantidos em boas condições sanitárias e acondicionados em temperatura de refrigeração;

Os alimentos só poderão ser comercializados quando acondicionados em expositores e/ou outras formas que os preserve protegidos contra moscas, poeiras e sol, e de modo que o consumidor não o manipule, evitando sua contaminação;

Recomenda-se que todos os alimentos, ingredientes e temperos que serão utilizados tenham manipulação mínima na área de comercialização;

O manipulador deverá usar equipamento de proteção individual durante a manipulação do pescado;

O manipulador não poderá usar adornos pessoais, fumar ou comer durante e no local da manipulação do alimento;

É proibido ao manipulador de alimento o manuseio de dinheiro;

Os utensílios que entrarão em contato com os pescados deverão ser de fácil higienização, não sendo permitido o uso de utensílios que possuam madeira;

O local onde serão armazenados os utensílios (faca, tábuas de corte, etc) deverá protegê-los, e em recipientes de fácil higienização;

Não será permitido o contato dos alimentos e bebidas diretamente sobre o piso;

Todos os alimentos fracionados/produzidos deverão ter prazo de validade, data de fabricação e designação;

O gelo que será utilizado no acondicionamento dos alimentos deverão ser produzidos com água potável e preservado em sua embalagem original, quando em caixas isotérmicas;

As caixas isotérmicas que serão utilizados no acondicionamento dos alimentos deverão estar em perfeitas condições sanitárias e em bom estado de conservação;

Providenciar lixeiras com tampa e de acionamento não manual com saco plástico no seu interior na área de manipulação;

Não utilizar saco de transporte para armazenar os alimentos sob refrigeração/congelamento;

É proibido ter animais no estabelecimento, ter equipamentos/utensílios alheios e/ou desuso do estabelecimento;

Local reservado para a guarda de pertences pessoais de forma que não entre em contato com os alimentos e seus utensílios.