Destaque

Publicado em 13/06/17 às 14:49 | Atualizado em 13/06/17 às 14:49

Cultura de Olinda ganha novos conselheiros

O grupo é formado por 11 conselheiros

Por Natália Catarina

Por Sandro Barros

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tomou posse hoje, na Prefeitura de Olinda, os novos conselheiros de Políticas Culturais da cidade para o biênio 2017-2019. Foram eleitos 11 conselheiros e seus respectivos suplentes para os segmentos de: Música, Artes Cênicas, Artes Visuais, Patrimônio, Costumes e Saberes, Cultura Popular, Artes Plásticas, Literatura, Entidades Não Governamentais, Trabalhadores da Cultura.

O conselho é composto pela sociedade civil, entidades não governamentais e representantes da gestão municipal, e tem como objetivo discutir, monitorar e desenvolver atividades culturais na cidade. Os novos empossados realizam sua primeira reunião dia 21 de junho, dando início a eleição do presidente do conselho.

O secretário de Patrimônio e Cultura do município, Gilberto Sobral, destaca o momento histórico da posse, que marca a regulamentação do fundo do Conselho Municipal de Cultura. “Este momento marca uma nova fase, agora o órgão tem um fundo, e a partir de agora o conselho vai trabalhar para conseguir recursos para realizar os editais de cultura do município. Estamos abrindo diálogo com os governos Federal e Estadual para conseguir transferências via fundo a fundo visando acelerar o recebimento de recursos para a cultura no município”, ressalta o secretário.

Para o conselheiro de Artes Cênicas, ator e Mamulengueiro, Flávio Henrique, 43 anos, é o momento de reiterar o compromisso de todos os atores culturais envolvidos na política cultural da cidade. “Vamos dar continuidade ao que foi acordado pelo conselho passado, trabalhar para o cumprimento das diretrizes estabelecidas”, afirma Flávio.

Elaine Gomes, 28, representante do coletivo cultural Casa Coletivo, eleita suplente do segmento de Costumes e Saberes, destaca que o “conselho traz em sua composição um pouco do que é Olinda, essa grande diversidade. O diálogo da preservação aliada à inovação; temos pessoas mais novas, pessoas mais velhas, pessoas que estão nas comunidades, assim como eu”, ressalta Elaine.