Patrimônio

Publicado em 27/08/15 às 18:14 | Atualizado em 11/11/15 às 22:33

Olinda é referência nacional na preservação do patrimônio histórico

Em 2013, Olinda recebeu uma carta da UNESCO afirmando que "não considera que haja riscos à integridade do centro histórico que deu à cidade o título de Patrimônio Mundial"

Por Secretaria de Comunicação de Olinda

Foto: Diego Galba/Pref.Olinda

Foto: Diego Galba/Pref.Olinda

Nos últimos anos, a Prefeitura de Olinda tem desenvolvido ações que preservam e garantem a manutenção do seu patrimônio, em parceria com os governos Federal e Estadual. Um exemplo foi a conclusão das obras de revitalização da Igreja do Carmo, reaberta em agosto de 2012. Ou a revitalização do Alto da Sé, inaugurada em outubro de 2011 e que incluiu a requalificação do prédio da Caixa D’Água, o embutimento da fiação e a construção do novo Mercado de Artesanato.

“Olinda tem um documento que foi emitido pela própria UNESCO, que destaca a conservação da cidade. O fato é que estamos entre as cidades-patrimônio mais preservadas do Brasil. Temos ainda um grupo de trabalho que se reúne semanalmente para tratar do assunto”, disse o secretário de Patrimônio e Cultura de Olinda, Lucilo Varejão. Em 2013, a UNESCO nos enviou uma carta informando claramente que “(…) não considera que haja riscos à integridade do centro histórico que deu à cidade o título de Patrimônio Mundial, e avalia que a menção a essa possibilidade sem suficiente fundamentação é prejudicial à efetividade e à respeitabilidade da própria Convenção”.

No documento, o órgão também elogia as condições de preservação da Marim dos Caetés. “Ao contrário de ensejar preocupações graves a ponto de se cogitar perda de titulo, constatamos que o presente questionamento ocorre no momento em que Olinda apresenta o melhor estado de conservação do sitio tombado desde que foi inscrita na Lista do Patrimônio Mundial. Ressaltamos que a UNESCO no Brasil apoiou a realização do programa Monumenta, implantado pelo IPHAN em parceria com o BID e a Prefeitura Municipal e testemunhou importantes atividades de recuperação do patrimônio cultural em Olinda”, atesta a carta.

Uma das formas de incentivar a manutenção do patrimônio pela Prefeitura de Olinda, é a promoção de ações de financiamento para a restauração de imóveis privados no Sítio Histórico. “Fazemos uma fiscalização intensa, com vários proprietários respondendo judicialmente por intervenções desautorizadas. Problemas com o trânsito, pinturas, reformas e manutenção estão entre as nossas prioridades. Contudo, precisamos do apoio da população”, reforçou o secretário de Planejamento e Controle Urbano, Estevão Brito.

PAC Cidades Históricas – A gestão municipal aprovou, junto ao PAC Cidades Históricas, 14 projetos para a reforma e requalificação de monumentos que há anos precisavam de reformas, como a Igreja do Bonfim, as Bicas, o Mosteiro de São Bento, o Fortim do Queijo e a Igreja de São Pedro; além de equipamentos públicos, como o Cine Duarte Coelho, o Casarão Hermann Lundgren, o Arquivo Público e vários largos e praças.

Lista dos monumentos que serão restaurados em Olinda:

1 – Restauração do Casarão Hermann Lundgren / implantação do Centro da Memória de Olinda;
2 – Requalificação da área do Fortim / implantação do Mercado de Peixes, Moluscos e Crustáceos;
3 – Restauração do Cine Teatro Duarte Coelho / implantação da Escola de Cine Animação;
4 – Requalificação do Largo do Amparo e São João;
5 – Restauração da Igreja do Bonfim;
6 – Restauração da Igreja de São Pedro;
7 – Restauração do Mosteiro de São Bento;
8 – Restauração das Bicas de Olinda: Quatro Cantos, Rosário e São Pedro;
9 – Restauração do Fortim de São Francisco;
10 – Restauração do Palácio dos Governadores / etapa final;
11 – Requalificação do Largo e Adro da Igreja de N. S. do Monte;
12 – Restauração do Sobrado do Arquivo Público Municipal Antonino Guimarães;
13 – Requalificação do Adro do Convento Franciscano;
14 – Requalificação da Praça do Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco (MAC) e área das ruínas do Senado de Olinda.

Fiscalização – A prefeitura fiscaliza o Sítio Histórico diariamente, identificando obras irregulares e autuando os responsáveis, para que regularizem seus imóveis. Mesmo após a orientação, em alguns casos é necessária a instauração de ações judiciais para coibir a descaracterização do patrimônio. E é através da Secretaria de Patrimônio e Cultura que as demandas são encaminhadas, via sistema próprio, para a Secretaria de Planejamento e Controle Urbano. Além disso, o próprio Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) também age fiscalizando a área.

Plano Municipal de Educação Patrimonial – Com a criação do Grupo de Trabalho de Educação Patrimonial de Olinda – GTEP, em 2011, foi elaborado, junto com a sociedade, o Plano de Educação Patrimonial de Olinda (PMEP). Moldado a partir do Plano Nacional do mesmo tema, o projeto foi aprovado em audiência pública em novembro de 2013 e possui diretrizes e metas que vão de curto, médio e longo prazo com o objetivo de ampliar o debate e a participação da comunidade envolvida na educação patrimonial.

O plano foi elaborado com o intuito de nortear a política pública no município, e se apresenta como resultado de um processo democrático que visa contribuir e criar ferramentas para a inclusão do cidadão olindense na discussão ampla e crítica acerca do seu Patrimônio Cultural.

Veja mais

https://www.youtube.com/watch?v=tRqskEoaAMw

print

Tags desta notícia: , , , , , , , ,