Destaque

Publicado em 03/07/17 às 12:53 | Atualizado em 03/07/17 às 12:55

Prefeitura de Olinda e população juntam forças para combater o Aedes aegypti

Números dos casos de dengue e chikungunya sofreram redução de 80% e 94%, respectivamente

Por Marcilio Albuquerque

Foto: Thiago Bunzen/Prefeitura de Olinda

 

Olinda está intensificando o trabalho de combate às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Nesta segunda-feira (03.07), foi realizada a primeira reunião do comitê intersetorial, formado pelo poder público e sociedade civil, que passa a concentrar as ações de inspeção e controle de focos, além do atendimento especializado para a população. O município comemora os bons resultados na luta contra as arboviroses, obtidos no primeiro semestre deste ano. A redução assinala cerca de 80% nos casos notificados de dengue e de 94% nos registros de chikungunya. A partir de agora, reuniões periódicas vão traçar os próximos passos do trabalho, ampliando investimentos e também definindo operações conjuntas em diversos pontos da cidade.

Além da Secretaria de Saúde e os profissionais da Vigilância Epidemiológica, diversas esferas do governo vão atuar na força-tarefa. Entre elas, as secretarias de Meio Ambiente, Segurança Urbana, Transportes e Trânsito, Educação e Serviços Públicos. O comitê também vai focar na integração com os moradores, somando esforços com associações, clubes e representações religiosas. Conforme o levantamento, bairros como Aguazinha, Peixinhos, Águas Compridas, Jardim Fragoso, Rio Doce e Jardim Brasil figuram entre os que mais requerem atenção. Contudo, as medidas devem se espalhar por toda a cidade.

Comitê
O Comitê Intersetorial de Combate às Arboviroses é uma das prioridades do prefeito de Olinda, Professor Lupércio. O primeiro encontro foi liderado pelo vice-prefeito, Márcio Botelho. O grupo terá o objetivo de articular ações de combate ao mosquito Aedes aegypti e as doenças como dengue, zika e chikungunya. De acordo com o secretário de Saúde, Eud Johnson, várias ações já vêm sendo desenvolvidas pela prefeitura, entre elas o controle vetorial, que passa pelo levantamento e acompanhamento de índices de pessoas doentes e possíveis focos do mosquito. No trabalho também está a eliminação de criadouros do vetor, aplicação de larvicidas e fiscalização de imóveis.