Serviços Públicos

Publicado em 15/02/17 às 12:48 | Atualizado em 15/02/17 às 12:48

Descartar metralha na rua é crime e Prefeitura de Olinda busca parceria com a população para coibir a prática

Pelo telefone, morador pode denunciar à Secretaria de de Serviços Públicos o descarte ilegal

Por Ismaela Silva

Prefeitura encontrou acúmulo de metralha no complexo Salgadinho. Foto: Weverton Mello/ Prefeitura de Olinda

Na hora de fazer reforma ou construção em casa, sempre surge o mesmo problema: onde jogar os restos de material de construção e demolição, a chamada “metralha”? Abandonar na calçada, no meio da rua ou no acostamento de avenidas, definitivamente não é a solução, e ainda por cima é crime.

Através do telefone 3429.0866, a população pode denunciar o descarte irregular, fornecendo os dados da placa do veículo que fizer a descarga em local indevido. A orientação da Prefeitura de Olinda é de que para volumes de até um metro cúbico de metralha o morador pode colocar o material no lixo comum acondicionado em sacos de até 50 litros, para ser recolhido pela coleta comum.

De acordo com as leis municipais 5857/2014 e 5858/2014, descartar metralhas indevidamente resulta numa multa que pode chegar a R$ 1 mil. Caso o flagrante seja nas proximidades de rios e córregos, o valor pode atingir R$ 2.500.

“Demora e não é fácil mudar a cultura do povo, mas temos que instruir e orientar as pessoas. Nossos fiscais ficam circulando, mas Olinda é uma cidade muito grande, precisamos contar com a população. O caminho é esse, a conscientização do povo de que essa prática é inadequada”, afirma o secretário Executivo de Serviços Públicos, Marconi Madruga.

Complexo de Salgadinho

O Prefeito Professor Lupércio constatou que grande quantidade de metralha vinha sendo jogada nas proximidades do girador do Complexo de Salgadinho, no sentido Olinda/Paulista e solicitou a limpeza do local e as devidas providências para evitar que esse tipo de problema se repita. De acordo com o Marconi Madruga a secretaria conta também com a ajuda de câmeras de monitoramento colocadas em alguns locais críticos, “tendo a placa do caminhão podemos aplicar a multa com base na lei”, destaca.

Tags desta notícia: ,