Transporte

Publicado em 24/03/16 às 14:15 | Atualizado em 18/05/16 às 21:46

Mobilidade Urbana é discutida por gestores públicos, técnicos e sociedade civil em Olinda

Objetivo do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB) é preservar os direitos dos cidadãos no ir e vir e melhorar a acessibilidade, preservando o meio-ambiente e o patrimônio cultural e histórico

Por Secretaria de Comunicação de Olinda

Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB)Mobilidade urbana é a condição com que se faz os deslocamentos, e os acessos, de pessoas e cargas no espaço urbano, de modo a atingir seus objetivos sociais e econômicos. Olinda é a primeira cidade pernambucana a discutir um Plano Municipal de Mobilidade, que será o instrumento norteador da efetivação da Política Nacional de Mobilidade (expressa na Lei Federal 12.587/12) para o município, com a participação de gestores públicos e da sociedade.

Na última sexta-feira, 18, no Palácio dos Governadores – sede da Prefeitura – o prefeito Renildo Calheiros assinou uma ordem de serviço para a empresa Tectran Systra Group dar início à elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAMOB). Também foi celebrado um termo de cooperação técnica entre a Prefeitura, a WRI Brasil e o Centro de Transporte Sustentável do Brasil (Embarq Brasil).

No PLAMOB, estarão contidos os princípios, objetivos e diretrizes a serem adotados na gestão municipal para garantir a preservação dos direitos de locomoção, acessibilidade e preservação do patrimônio cultural e histórico da cidade, levando em consideração um período de 10 anos. O plano é financiado pelo Ministério das Cidades e Caixa Econômica Federal, a partir de emenda parlamentar da Deputada Federal Luciana Santos (PCdoB).

“O PLAMOB vem para mudar a maneira de pensar. Porque toda a vida, nós trabalhamos para  acomodar carros. É por isso que o carro hoje ocupa um espaço muito maior numa via. Se você for olhar, ele ocupa um espaço muito maior do que o transporte público, que leva muito mais pessoas do que todos os carros somados. Hoje em Olinda, temos duas ciclovias. Uma na Orla e a outra na PE-15, e que está passando por requalificação. Só que elas não se comunicam. Então, se elas tiverem uma ligação, formarão uma rede, o que irá melhorar a situação da população que usa a bicicleta não só para o lazer, mas para o trabalho. Colocar bicicletário nos terminais integrados, por exemplo, também é uma ação pensada dentro do plano”, disse Regilma Souza, secretária Executiva de Transporte e Trânsito.

Para incentivar a participação social na elaboração do plano, será lançado nas próximas semanas um canal de diálogo na internet, através de um site, para que a população possa dar suas sugestões. É necessário que as sugestões enviadas contemplem as necessidades de toda a comunidade, e não as necessidades individuais de cada cidadão. Se um morador solicitar a instalação de semáforos, por exemplo, ele deve avaliar essa isso apenas o beneficiará, ou o coletivo.

Para estudar, diagnosticar e propor alternativas de melhoria, está sendo criada uma Olinda virtual, onde será possível testar e ver os resultados das propostas. Imagem: Tectran

Para estudar, diagnosticar e propor alternativas de melhoria, está sendo criada uma Olinda virtual, onde será possível testar e ver os resultados das propostas. Imagem: Tectran

Seminário – Logo após a assinatura da ordem de serviço e do termo de cooperação técnica, foi realizado o primeiro seminário do PLAMOB/Olinda, no Hotel Costeiro. As atividades foram conduzidas pela equipe do WRI Cidades, da Secretaria de Transportes e Trânsito e da Tectran Systra Group. Cerca de 100 participantes, entre técnicos de diferentes secretarias municipais e representantes de associações da sociedade civil, participaram do evento.

Tags desta notícia: , , , ,