Notícias

Caminhada sobre hanseníase marca encerramento do Janeiro Roxo em Olinda

Panfletagem e consulta para diagnosticar doença foi realizada durante o evento

Publicado por: Ariadny Correia, em: 30/01/20 às 9:51

Por: Pedro Morais

A Secretaria de Saúde de Olinda promoveu, nesta quarta-feira (30.01), uma caminhada, no bairro de Peixinhos, destinada a conscientização e ao combate da hanseníase, marcando o encerramento da campanha do Janeiro Roxo na cidade. O evento contou com a presença dos profissionais da Coordenação da Hanseníase/Tuberculose do município e também da Secretaria Estadual de Saúde. A ação foi animada com frevo da orquestra Beberibe e do Maracatu Nação Mulambo.

A secretária executiva de Vigilância em Saúde de Olinda, Danyella Kessea, destacou a importância do evento. “Esse momento é de conscientizar à população sobre a hanseníase e dos serviços oferecidos para diagnosticar e tratar a doença que não mata, mas desperta preconceito pelas deformidades”, declarou.

Profissionais de saúde e agentes comunitários da unidade realizaram panfletagem educativa, durante uma caminhada, como alerta dos sintomas, diagnóstico e tratamento da hanseníase. O trabalho envolveu os funcionários do Programa da Saúde da Família Cohab/Peixinhos I/II e III, localizada na Avenida Nacional, s/n.

A coordenadora de Hansen de Olinda, Deisiane Karla, juntamente com o enfermeiro da equipe I, Wagner Belmont, participou da organização do evento. Estudantes de medicina da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) também estiveram presentes no apoio das consultas de avaliação da doença na unidade de saúde do bairro.

A gerente do Programa Sanar, do Governo do Estado, Rosimery Melo, prestigiou o evento e declarou: “É muito importante essa parceria entre o município e Estado, sobretudo nesse período do Janeiro Roxo, alusivo às atividades de conscientização e fortalecimento das estratégias de enfrentamento à hanseníase e diminuição desse estigma”.

“Acho ótimo esse tipo de iniciativa, pois ficamos informados sobre os tipos de doenças e como tratar delas”, disse a moradora de Peixinhos, Iracy da Silva.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

%d blogueiros gostam disto: