Notícias

Cena Cumplicidades acontece em Olinda

O evento estreou na quinta-feira (29) com apresentações gratuitas de dança, música e teatro em Olinda e Recife

Publicado por: Secom, em: 30/11/12 às 17:57
O espetáculo ATO será apresentado pelo grupo teatral Magiluth neste sábado (01/12), às 19h, próximo ao Observatório do Alto da Sé. Foto: Grupo Magiluth/Divulgação

O espetáculo ATO será apresentado pelo grupo teatral Magiluth neste sábado (01/12), às 19h, próximo ao Observatório do Alto da Sé. Foto: Grupo Magiluth/Divulgação

Quatro dias de apresentações gratuitas em espaços públicos com artistas e grupos de dança, música e teatro, além de atividades de formação voltadas para esses três segmentos das artes. Essa é a proposta do projeto Cena Cumplicidades, que acontece nesta quinta e sexta-feira (29 e 30 de novembro), em Recife, e no sábado e domingo (1 e 2 de dezembro), em Olinda. É um movimento colaborativo de artistas, produtores, designers, jornalistas, organizações e profissionais de diversos segmentos que se articulam sob a cumplicidade de uma mesma idéia: promover, movimentar e disseminar a cultura entre cidades do Brasil e do mundo, tornando-as cidades cúmplices das culturas umas das outras. O Cena Cumplicidades é realizado com o apoio da Prefeitura de Olinda, Prefeitura do Recife e do Consulado Francês em Recife.

Na quinta (29) e na sexta (30), das 14 às 17h, e no dia 1 dezembro, das 9 às 12h, na Casa do Turista, na Cidade Alta, em Olinda, o início das atividades do Cena Cumplicidades será marcado com a oficina gratuita Dança em Vão ministrada pelo coreógrafo pernambucano Claudio Lacerda. As inscrições já estão abertas e podem ser efetuadas pelo bureaudecultura@gmail.com ou 8837.1485.

O workshop Dança em Vão envolve a exploração de micro espaços, tanto na subjetividade corporal quanto na paisagem arquitetônica. A dissolução do corpo e da identidade no contato de espaços de “vazamento” no ambiente urbano, como, por exemplo, frestas, reentrâncias, entradinhas, bequinhos, saliências, pórticos e outros espaços, inclusive o próprio material desses ambientes: cimento, alvenaria, madeira, alumínios e latões, relacionando-os com os materiais (pele, cabelo, carne, etc.) e partes do corpo é a proposta de um caminho para a autoinvestigação de movimento e autodescoberta pessoal e artística. O workshop é composto por experimentação, improvisação e partituras de movimento, funcionando numa espiral.

Na quinta-feira (29), às 16h, na Praça do Diário, em Recife, a primeira apresentação será a intervenção urbana Flor, performances com dança contemporânea e música instrumental, contemplada pelo Prêmio Procultura de Estímulo ao Circo, Dança e Teatro 2010, (Funarte/MinC) e idealizada pela bailarina Thais Petzhold e pelo músico Celau Moreyra, ambos do Rio Grande Sul. As performances contarão ainda com a participação do músico, ator e dançarino,Helder Vasconcelos e do músico, Johann Brehmer. Na sexta-feira (30), no mesmo horário, a intervenção ocupa a Esplanada do Parque Dona Lindu. Já no sábado (1/12), Flor será novamente exibida, dessa vez às 16h, em frente à Igreja da Sé, em Olinda.

Esse ano, durante a realização da primeira circulação nacional de Flor passando por alguns estados como MG, RJ, RS e PE têm envolvido artistas de diferentes estados e surpreendido pelo caráter adaptativo e inovador e ao mesmo tempo muito bem estruturado em suas partituras cênicas/coreográficas e musicais que transforma o processo em produto e onde o diálogo toma o lugar do discurso. Thais Petzhold, destacada bailarina do cenário cultural do sul do país e Celau Moreyra reconhecido violoncelista da OSPA, convidam artistas das cidades visitadas para se integrarem às intervenções, o que confere a obra “Flor”, a possibilidade de novos diálogos estéticos e o estado de constante transformação.

A Cia. de Dança do Teatro Alberto Maranhão, do Rio Grande do Norte, apresenta o espetáculo Solosparestrios neste sábado (01/12) às 16h30 no Alto da Sé. Foto: Reginaldo Azevedo

A Cia. de Dança do Teatro Alberto Maranhão, do Rio Grande do Norte, apresenta o espetáculo Solosparestrios neste sábado (01/12) às 16h30 no Alto da Sé. Foto: Reginaldo Azevedo

O Alto da Sé, em Olinda, será o palco principal das apresentações do Cena Cumplicidades, em Olinda. No sábado (1), às 16h, serão exibidas as performances que resultam da oficina Dança em Vão, ministrada pelo coreógrafo Claudio Lacerda. Em seguida, as 16h30, no mesmo local, a Cia. de Dança do Teatro Alberto Maranhão, do Rio Grande do Norte, apresenta o espetáculo Solosparestrios que reúne coreografias de dança contemporânea em solos, duos e trios. Criada em 1998, a Cia potiguar desenvolve um trabalho de Dança Contemporânea buscando uma liberdade de movimentos aliada a um domínio técnico corporal utilizando expressões e movimentos menos formais. Para os que perderem a exibição nesse dia, o Solosparestrios poderá ser visto novamente no domingo (2), às 15h30, em frente ao elevador panorâmico da Sé.

No sábado e no domingo (1 e 2), o Projeto Combo, uma realização da Dimenti Produções Culturais Ltda, de Salvador, que parte de um interesse artístico e afetivo de colocar em relação cinco trabalhos coreográficos de quatro criadores brasileiros traz as performances Um Corpo que Causa de Jorge Alencar; Single, de Leo França; Edital deFábio Osório Monteiro; e Souvenir, feito em colaboração pelos quatro artistas envolvidos junto à produtora e co-criadora Ellen Mello.

O Edital 09/2011 – Para Aquisição de uma Obra Autoral ficou aberto de 18 de abril a 06 de maio de 2011. Dele sai o primeiro trabalho autoral de Fábio Osório Monteiro. Entre projetos arquivados, suplentes na espera e um proponente contemplado, são detonados questionamentos sobre o atual panorama da arte contemporânea. A apresentação será no sábado (1), às 17h, na Pousada 4 Cantos, em Olinda. Às 18h, no mesmo local, o dançarino Leonardo França, mostra a sua Single, uma série de performances (corporais, textuais, videográficas…) criadas com os muros e ferros de proteção comuns nos domicílios baianos. A partir desses elementos do tecido urbano soteropolitano, o bailarino desenvolve estratégias de camuflagem confundindo o corpo à geografia da cidade para atravessar fronteiras estético/políticas. Nessa dança-camuflada objetos sólidos e violentos ganham fluidez e movimentação como numa maré, desorientando suas referências.

Para fechar a programação do sábado (1), o Grupo Magiluth apresenta às 19h, ao lado do observatório no Alto da Sé, em Olinda, o espetáculo Ato, segundo trabalho do repertório do grupo pernambucano, e se baseia na obra “Ato sem Palavras I”, do irlandês Samuel Beckett, lançando mão de uma linguagem gestual, unindo conceito, técnica e poesia. Um trabalho de interpretação baseado na arte do clown, mostrando o encontro de quatro personagens num universo inóspito onde as boas condições de vida e as esperanças em dias melhores estão escassas. O jogo da busca pelo poder entra em cena e estará presente em apresentação única no Cena Cumplicidades.

No domingo (2), último dia das atividades do Cena Cumplicidades, às 16h, também no Alto da Sé, o público poderá ver o solo de dança em cenário Tejer, tejerse, me tejen.., da Compañía Atempo Danza (Cochabamba/BOL), em frente ao elevador panorâmico. A obra é um elogio aos costumes ancestrais do tecido, à beleza e uma reflexão em torno da mulher atual e “quem tece quem”? A cenografia e os objetos que intervêm na obra estão construídos na base das ferramentas e objetos que se utilizam na elaboração dos tecidos e tecnologia têxtil andina.

No mesmo horário, na Praça Laura Nigro, na Cidade Alta, novamente aintervenção urbana Flor, da bailarina Thais Petzhold e do músico Celau Moreyra, ambos do Rio Grande Sul, com a participação dos músicos Helder Vasconcelos e Johann Brehmer. Depois, às 17h, a apresentação do trabalho Souvenir, dirigido por Jorge Alencar, que, durante o pôr do sol, no quintal de uma casa, mescla -caseiramente – memórias coreográficas, bagunças de infância e fantasias cinematográficas movimenta a Pousada Quatro Cantos, numa exibição voltada para crianças e jovens.

Às 18h, o cantor e compositor Publius Lentulus com influência sonora dos anos 70 e tons progressivos, apresenta o seu show Publius Solo, no Alto da Sé, em frente ao elevador panorâmico. Para encerrar o Cena Cumplicidades, traz às 19h, o baiano Jorge Alencar que mostra a obra Um corpo que causa, nas escadarias em frente ao Preto Velho, no Alto da Sé. Um ato coreomusical. Como se Freddie Mercury fosse Cauby Peixoto e cantasse Barbra Streisand na voz de Caetano vestido de pequena sereia… Feito para acontecer em uma escadaria de diva, o trabalho propõe estratégias de produção de sexualidades como espaços de delírio.

Veja mais

  • Clipe da música “Lembrar de Si”, do cantor e compositor Publius, que se apresenta domingo às 18h no Alto da Sé

%d blogueiros gostam disto: