Notícias

Matemática sem medo: ferramenta lúdica prepara estudantes de Olinda para Olimpíada Brasileira

Considerada ‘bicho-papão’, a disciplina caiu no gosto da estudantada

Publicado por: Redação da Secom, em: 09/05/19 às 12:49

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para os alunos dos 6º e 7º anos da Escola Municipal Alexandre Barbosa Lima, localizada no bairro de Caixa D’Água, em Olinda, a matemática não é mais um bicho-papão. Através de uma didática lúdica, os estudantes conseguiram despertar o gosto por essa disciplina que ainda assusta muita gente. O grupo está se preparando para primeira etapa da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), que acontecerá no dia 21 de maio.

Por meio do novo modelo didático de ensinar matemática foi criado o Projeto Jogos Matemáticos, que começou no dia 6 de maio e segue até o próximo dia 17. A iniciativa de utilizar o lúdico como ferramenta de aprendizagem partiu do professor Edson Lima que viu na iniciativa uma forma de treinar os estudantes para as OBMEP.

O intuito do Projeto Jogos Matemáticos é fazer com que a criançada entre no clima da competição e desperte o gosto por essa disciplina que exige concentração e muitos cálculos. Os estudantes construíram os jogos utilizando as teorias apresentadas pelo professor em sala de aula.

Para o diretor da escola municipal, Francisco Barbosa de Oliveira, através dessas ações é possível despertar nos estudantes um olhar diferente sobre a matemática cotidiana e para o futuro. “Foi plantada a semente de transformação do futuro cidadão para a sociedade brasileira e promissores pesquisadores em matemática. Esses trabalhos produzidos por eles são um avanço na autonomia do estudante com aprendizagem em sala de aula”, explicou.

Até a próxima semana os alunos também terão outras atividades de preparação como simulados e reuniões. “Iremos realizar com os estudantes simulados e reuniões com eles e as famílias. Tentaremos fazer um clima de provão, para eles sentirem a importância e como é participar de um evento tão grande como a OBMEP”, concluiu o diretor Francisco Barbosa.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: