Notícias

Olinda faz sua parte e adere à Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência

Cidade é a primeira do Brasil a receber o maior movimento pelo fim da violência

Publicado por: Secom, em: 16/12/09 às 9:30
Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência em Famalicão (Portugal) - Foto: Pressenza Europa

Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência em Famalicão (Portugal) - Foto: Pressenza Europa

A Primeira Capital Brasileira da Cultura vai receber nesta quarta-feira (16), a partir das 9h, na Praça do Carmo, no Sítio Histórico da cidade, a maior mobilização social que visa o fim das guerras e de qualquer manifestação de violência. Lançada em 2008 durante o Simpósio do Centro Mundial de Estudos Humanistas, na Argentina, a Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência chega pela primeira vez em Olinda.

Na ocasião, o prefeito do município, Renildo Calheiros, assinará o tratado de adesão ao movimento, às 10h, dando início as atividades em Pernambuco. Na Cidade Patrimônio, haverá os repiques dos sinos das igrejas do Sítio Histórico, às 11h, além da passeata que percorrerá a Avenida Liberdade, Praça de São Pedro, Rua 27 de Janeiro e Praça Monsenhor Fabrício, no Palácio dos Governadores.

Após percorrer todo itinerário, os mais de mil participantes esperados irão apreciar no palco montado na Praça do Carmo, o coral Vozes do Silêncio, composto por 15 meninos surdos e mudos de vários bairros de Olinda. Várias entidades e personalidades do Estado aderiram a causa. Além do prefeito de Olinda, Renildo Calheiros, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o secretário especial de Cultura, Ariano Suassuna, o músico de Devotos, Canibal, e o Núcleo Acadêmico de Prevenção à Violência da UFPE, também abraçaram a iniciativa.

Depois de ter começado na capital da Nova Zelândia, Wellington, em dois de outubro de 2009, a Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência já passou por vários países da Ásia, Oriente Médio, Europa e África. O continente americano será sua última parada, prevista para terminar no dia dois de janeiro de 2010, nos pés do Monte Aconcágua, em Punta de Vacas, na Argentina.

Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência – Apesar de ter apenas dois anos de existência, milhões de pessoas de 300 cidades diferentes, distribuídas por 100 países dos seis continentes do planeta, participaram das milhares de ações desenvolvidas pela Marcha Mundial Pela Paz e Não-Violência.

Criada com a pretensão de formar uma consciência frente à perigosa situação mundial que atravessamos, marcada pelos altos índices de violência em várias partes do mundo, o movimento é uma proposta de mobilização social sem precedentes.

Em poucos meses, a Marcha Mundial suscitou a adesão de milhares de pessoas, agrupações pacificas e não-violentas, diversas instituições, personalidades do mundo da ciência, da cultura e da política, sensíveis a urgência das mobilizações.

%d blogueiros gostam disto: