Notícias

Olinda implanta unidade de referência de saúde bucal na Doença Falciforme

Município é pioneiro nesse tipo de atendimento em todo Estado de Pernambuco

Publicado por: Secom, em: 30/11/12 às 12:30
Gestores da Prefeitura de Olinda comemoram a iniciativa - Foto: Secretaria de Saúde de Olinda

Gestores da Prefeitura de Olinda comemoram a iniciativa – Foto: Secretaria de Saúde de Olinda

Uma iniciativa pioneira da Secretaria de Saúde de Olinda está beneficiando portadores da Doença Falciforme no município. Está funcionando, desde o mês de outubro, no Centro de Saúde de Jardim Fragoso, o Serviço de Referência no Atendimento Especializado em Saúde Bucal. O espaço é uma parceria entre a Coordenação de Saúde da População Negra e o Programa de Doença Falciforme da Cidade.

O evento de inauguração contou com a presença da secretária de Saúde do município, Dra Tereza Miranda e equipe; do representante do Ministério de Saúde e coordenador do Programa Municipal de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme de Camaçari (BA), o dentista Tiago Novais; das coordenadoras de Saúde Bucal e CSPM/PDFO, Raquel de Oliveira e Conceição Silva, respectivamente; além de membros da comunidade.

A implantação da Unidade descentraliza o atendimento a pacientes de Olinda atualmente consultados no Hemope. O efeito “desmame” vai trazer benefícios aos portadores da doença que residem no município, sobretudo, trazendo mais comodidade e economia de passagem.

A data de inauguração da unidade de referência foi um hiato entre as comemorações do dia do Dentista (25) e o dia Nacional de Luta pelos Direitos da Pessoa com Doença Falciforme e de Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra (27).

“Essa descentralização vem colaborar diretamente com a melhoria da qualidade de vida do paciente com a Doença Falciforme, pois quanto mais perto o atendimento de sua residência, melhor qualidade de vida”, destacou a secretária de Saúde de Olinda, Tereza Miranda.

O representante do MS, Tiago Novais, elogiou o município. “Olinda sempre tem saído na frente e esse serviço é mais uma iniciativa que nos anima muito e coloca a cidade em destaque no cenário nacional”, comentou.

A coordenadora da CSPN/PDFO, Conceição Silva, destaca o avanço da gestão referente à doença. “O município de Olinda não só tem trabalhado a assistência como também a capacitação dos profissionais de saúde em relação ao manejo com a doença”, falou.

Vale lembrar que ano passado o Laboratório Municipal de Saúde Pública de Olinda adquiriu um equipamento específico para a realização do diagnóstico da Doença Falciforme na população. As gestantes do município já fazem a Eletroforese da Hemoglobina desde 2010, sendo agora pouco incorporado ao conjunto de exames da Rede Cegonha preconizado pelo Ministério da Saúde (MS).

HISTÓRICO – Doença Falciforme é uma doença de origem genética, hereditária e caracterizada pela diminuição de glóbulos vermelhos (hemácias) no sangue. Essas células são responsáveis por levar oxigênio para todas as partes do corpo e a deficiência neste transporte provoca uma má formação dos glóbulos.

Essa alteração genética é decorrente de mutações ocorridas nas hemácias há milhares de anos, predominantemente no continente africano. E, pelo povo brasileiro ter uma forte influência desses povos, através da mistura, herdou o gene da Doença Falciforme.

A Bahia é o estado de maior incidência da doença no país, com um portador para cada 650 nascimentos; enquanto para o traço falciforme, uma pessoa para cada 17 nascidos. Outros estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão e Pernambuco, tem apresentado estatísticas significativas quanto à presença da doença e traços na população.

Em Pernambuco, o Programa Nacional de Triagem Neonatal (teste do Pezinho) aponta que, para cada 1.400 nascidos, um terá doença falciforme. Em Olinda, conforme dados do IBGE/2010, a população negra corresponde a 61,90% (soma de pretos e pardos = negros).

O programa de Doença Falciforme foi implantado em Olinda desde 2005, na gestão da ex-prefeita Luciana Santos (PCdoB), com ambulatório de hematologia funcionando na Policlínica Barros Barreto, coleta de sangue para realização do exame para detectar a doença e o teste do pezinho nas duas maternidades existentes no município (Tricentenário e Brites de Albuquerque).

SINTOMAS E TRATAMENTO – Os sintomas são dores fortes nos músculos, ossos e juntas, palidez, cansaço e cor amarela nos olhos, bem como feridas nas pernas e inchaço doloroso. É importante saber que a doença não é contagiosa e a melhor forma de descobrir cedo é fazer o teste do pezinho (entre o 3º e 30º dia de nascimento da criança). Para as crianças, gestantes e população em geral, o recomendado é fazer exame de sangue (eletroforese de hemoglobina) que identifica tanto a doença como o traço falciforme.

As pessoas diagnosticadas com Doença Falciforme devem ser cuidadas em um programa de Atenção Integral e tratadas de acordo com os protocolos do Ministério da Saúde; Por outro lado, as pessoas diagnosticadas com o Traço Falciforme tem o direito a orientações e informações genéticas na rede pública de saúde, conforme as diretrizes do MS, já que o Traço não se caracteriza como doença.

Serviço:

Serviço de Referência no Atendimento Especializado em Saúde Bucal
Centro de Saúde de Jardim Fragoso
Rua Alexandre de Carvalho, S/N – Jardim Fragoso

%d blogueiros gostam disto: